CÂNCER DE MAMA: Ninguém está parado esperando ele chegar e, de repente…

Embora atualmente o diagnóstico de câncer já esteja menos associado com a ideia de “morte certa”, ele ainda vem carregado por uma perspectiva de descontinuidade da vida em seu sentido mais amplo. Receber um diagnóstico de câncer implica em profunda angústia, ansiedade e medo. Ninguém está parado esperando o câncer chegar. Estão todos vivendo e, de repente, chega a notícia que vai alterar toda a vida. Algo importante e grave está acontecendo no corpo e, do dia para a noite, todas as certezas ficam abaladas. De imediato, tentamos nos proteger, negamos a realidade, mas depois de mais duas ou três opiniões de especialistas, não tem jeito: é preciso encarar o câncer. Até a palavra, para muitos, ainda é difícil pronunciar. De repente, o que só acontecia com os outros, chega à nossa casa, sem avisorelogio-floresss e sem pedir licença. Entra e produz mudanças profundas no curso, antes tão previsível, da nossa vida. São mudanças por vezes tão marcantes que dividem a vida em “antes” e “depois” do diagnóstico. Exige assim um intenso trabalho de luto por tudo aquilo que existia e é perdido com a constatação da doença. Saúde, sonhos, profissão, projetos de vida… Repentinamente o adoecer nos confronta com a real percepção da nossa finitude, a angustiante possibilidade de deixarmos de existir.

No caso específico do câncer de mama, as implicações físicas e psíquicas envolvidas são ainda mais complexas. Parte disso deve-se à representação do seio como algo associado à identidade da mulher, à sua feminilidade, sexualidade, estética e maternidade.

Quando constatada a presença de um tumor maligno, a mastectomia é um dos métodos mais utilizados para o tratamento. Trata-se de uma cirurgia mutiladora que visa remover todo o tumor visível, o que em muitos casos resulta na remoção total da mama. Além dos prejuízos de ordem física, as consequências sociais e emocionais desse procedimento tem forte impacto na vida da mulher.

Fisicamente, uma das reações mais temidas é a queda do cabelo, pêlos, cílios e sobrancelhas como consequência das várias sessões de quimioterapia ou radioterapia a que a mulher é submetida. Simultaneamente ocorre também a perda ou ganho de peso. A medicação faz inchar, ocorrem náuseas e fraqueza. A dor é sintoma também muito frequente nessa primeira etapa do tratamento.

A dor traz preocupação, intensifica as incertezas, deprime e desencoraja facilmente. Algumas mulheres se sentem sem esperança e desemparadas, enquanto outras podem sentir-se irritadas, assustadas, constrangidas e sozinhas. Há considerável perda da autoestima e o medo de uma metástase em images-5outros órgãos também perturba. Após a retirada da mama, alguns dos questionamentos mais comuns referem-se à aceitação da sociedade e do parceiro, a
retomada da vida profissional e ao seu papel como esposa e mãe. Há dias bons e dias ruins e por vezes a mulher tem a sensação de que sua vida tornou-se uma grande montanha russa.

Do diagnóstico ao enfrentamento da doença e recuperação a mulher vivencia inúmeras perdas. A primeira delas refere-se à perda do controle que acreditava ter sobre a vida. De repente não há mais certeza do amanhã, a doença acaba por revelar de forma antecipada e repentina o destino de todo ser humano: a morte. Toda a vida que ela tinha até ontem, agora ficou para trás. O adoecimento traz desordem e incertezas. A mulher já não é a mesma, suas preocupações adquirem outras proporções. Inicia-se um período de dúvida-certeza, aceitação-recusa, que exigem um intenso trabalho psíquico.

A perda da mama, parte fundamental da identidade feminina, leva a uma alteração de sua autoimagem e, como consequência, à redução da autoestima e autoconfiança. thumb_lacoA mulher não reconhece mais a si mesma, seu corpo foi ou será modificado, sente que sua feminilidade lhe foi “roubada”, sua sexualidade está afetada, novas limitações surgem em seu dia-a-dia… Em meio a tudo isso, é preciso se refazer psiquicamente, entrar em contato com seus sentimentos mais dolorosos e adaptar-se às repentinas e bruscas mudanças. Esse é um processo doloroso e que em muito se assemelha a um processo de luto.

O luto a ser elaborado não é apenas pelo seio perdido, mas por toda a história, significado e condição de existência associado a ele. Torna-se assim um luto pelo corpo perdido e pelas expectativas frustradas; um luto pela sua feminilidade, pelo seu papel na sociedade e pela própria identidade. Passar por essa experiência faz viver um total desmoronamento de si e exige uma permanente adaptação e reconhecimento da sua nova condição.

            Em todo esse processo, o apoio familiar é essencial e, em alguns casos, a psicoterapia também pode ser indicada. Descobrir-se com câncer é uma situação limite que leva a diversos conflitos internos e necessita de uma reconstrução de si mesma. O acompanhamento psicológico possibilita à mulher oportunidade de expressar suas angústias, medos (principalmente da morte) e incertezas frente ao câncer. Em um ambiente seguro e com suporte profissional adequado poderá verbalizar tudo aquilo que possivelmdsc08605300ente não contaria para um amigo ou familiar. Como consequência, tem-se uma diminuição dos medos e angústias associados à doença e um maior conhecimento e compreensão de sua condição. Isso tudo, por conseguinte, influenciará também em uma resposta mais positiva ao seu tratamento como um todo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s